sexta-feira, 26 de setembro de 2008

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

nas últimas semanas andei tendo crises demais - tanto de asma quanto de autismo, raiva, solidão; não quiz saber de muita gente - e ainda não estou; quiz muuito - e quando eu digo muito, é muito mesmo! - sumir, largar tudo e desaparecer por uns dias sem rumo; pensei seriamente em tomar outro rumo na vida; comi várias barras de chocolate; andei tão "nem aí, nem aqui" que meu quarto chegou ao limite da desorganização e minha cabeça ao limite da sanidade; conheci uma pessoa que eu queria muito que fosse "a pessoa" - veremos;
percebi finalmente que algumas pessoas não têm porque continuarem na minha vida; passei a amar mais ainda a minha cama e meu travesseiro; tenho sentido muita saudade da casa da minha mãe; chorei muito; reclamei mais ainda; desejei uma amnésia; cansei de tudo;
mas apesar dos pesares, continuo aqui...

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

novamente Caio Fernando Abreu


"Vai passar, tu sabes que vai passar. Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe? O verão está aí, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada 'impulso vital'. Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te surpreenderás pensando algo assim como 'estou contente outra vez'."

sábado, 13 de setembro de 2008


DÓI

é uma dor que não passa; quem sabe até uma culpa...
culpa por perceber as coisas tarde demais, por saber que agora realmente não há o que se fazer.
não haverão mais ligações inesperadas, visitas nos horários mais impróprios, propostas extremamente indecentes, vontades engraçadas, teu cheiro na minha roupa, tuas grosserias divertidas, o amarelo, o verde e o rosa que ficavam tão lindos em ti, pornografias ditas ao telefone; o dia 7 de abril nunca mais será o mesmo sem nossas ligações para nos desejarmos "Feliz Aniversário"...
eu jamais pensei em te perder desse jeito, e jamais pensei que sentiria tanto a tua perda... muitas pessoas não acreditam na sinceridade desse sentimento, acham que é pura besteira minha, coisa de gente que não vale anda (e nós sabemos muito bem o porque!)... eu sei que é tarde demais pra ter percebido isso, pra ter percebido o valor que você tem pra mim, e isso é o que mais dói!
lembro do quanto eu ria quando a gente saía juntos e você me dizia: "confessa Carla, eu sei que você tem uma quedinha por mim, pode dizer, porque tu sabe que eu tenho uma por ti, afinal de contas porque tu acha que eu tô aqui??!!", eu ria e dizia que ia fingir que acreditava em ti e logo mudava de assunto; eu nunca quiz admitir que sentia algo por ti, mas com certeza 4 anos não foram por nada; lembro da cara de safado que me olhava quando passava de carro, e largava aquele "oi" mais deslavado da face da terra, como se nada nunca houvesse acontecido; aahh como eu adorava aquela cara de safado que só você sabia fazer...
foram tantos momentos, conversas, loucuras feitos juntos - aahh se o caminho em SMO e Descanso falasse hein ;x -, brigas idiotas, porque por mais que nunca tivemos nada sério, um sentia ciúmes do outro... e ao contrário do que muitas pessoas pensavam, a gente sabia ser amigos e até mesmo consolar um ao outro quando era preciso.
sinto por termos deixado de nos falar por um tempo, eu sei dos motivos, tantos os teus quanto os meus, mas isso é o que torna a dor da tua perda ainda maior... saber que não houveram ligações, nem visitas, tudo porque eu quiz bancar a durona e te "castigar"...
não há um dia no qual eu não olhe tuas fotos, não lembre de ti e enxa os olhos de lágrimas... tudo ainda parece mentira!! as coisas aconteceram de uma maneira muito dura, é difícil aceitar...
foi sem dúvida a pior cena e a pior notícia que eu recebi em toda a minha vida... por um momento eu odiei tudo e todos por permitirem que isso acontecesse... eu quiz sumir, não queria saber de mais ninguém.. todos pareciam inimigos por deixarem você ir...
com certeza foi muito mais do que a perda de um amigo querido, é a perda de uma pessoa maravilhosa que eu lamento todos os dias por ter acontecido... você era muito mais do que o "quebra galho" que se considerava pra mim, muito mais do que aquele que sabia me tirar de qualquer tristeza ou mal humor; você sabia exatamente o que dizer, nem que fosse um "agora não é hora pra falar sobre isso"... eu odiava a tua mania de achar que me tinha quando quizesse, embora eu não conseguisse dizer não quando você me ligava; mas adorava tuas ligações só pra falar besteira, as visitas pra me dizer que estava com saudade de me ver, enrolações, desculpas, mentirinhas engraçadas, teu bom humor, a alegria que contagiava todo mundo, e até mesmo o teu mal humor - que era o mal humor mais engraçado que eu já conheci; adorava te ver todo sujo, e a cara de nojo que fazia quando eu dizia que você ficava ainda mais gostoso todo sujinho "uii Carla, sua porca!" - hahaha eu nuunca vou esquecer disso! - ; a forma como me dizia "tu só me usa guria!"...
nada, nem ninguém, jamais, vai tirar isso de mim... por mais que julguem, falem o que quizerem, eu e você sabíamos do que era nosso - o que por menor e mais sem vergonha que fosse, era nosso! infelizmente as coisas aconteceram dessa maneira desnecessária, nada há pra se fazer a não ser lamentar e lembrar dos bons momentos que houveram, lembrar de ti como ser importante e lindo que passou pela minha vida e que vive bem pertinho de mim em pensamento.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

bagunça mental
até onde vai?
será que realmente é isso?
vetado?
até quando?
por que não?
sente mesmo?
talvez não passe de encantamento
falta?
só diversão?
é pouco
preciso de mais?
quero mais?
talvez não saiba o que quero
faz diferença?
e se?
só fazendo pra saber
ai ai ai...
"Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende?" (Caio Fernando Abreu)

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

"Na primeira manhã em que se viu sozinho, decidiu que já não queria a companhia de quase ninguém."*

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

domingo, 7 de setembro de 2008


"Ah, fumarás demais, beberás em excesso, aborrecerás todos os amigos com tuas histórias desesperadas, noites e noites a fio permanecerás insone, a fantasia desenfreada e o sexo em brasa, dormirás dias adentro, noites afora, faltarás ao trabalho, escreverás cartas que não serão nunca enviadas, consultarás búzios, números, cartas e astros, pensarás em fugas e suicídios em cada minuto de cada novo dia, chorarás desamparado atravessando madrugadas em tua cama vazia, não consegurás sorrir nem caminhar alheio pelas ruas sem descobrires em algum jeito alheio o jeito exato dele, em algum cheiro estranho o cheiro preciso dele(...)"


(Caio Fernando Abreu)

sábado, 6 de setembro de 2008

Confusão


não sei se as coisas acontecem como eram para acontecer, sei que elas acontecem porque eram pra acontecer.
nada, simplismente nada, acontece sem algum motivo; e simplismente nada que pareça sem pé nem cabeça fica sem explicação.
as coisas que aconteceram há anos e que pareciam que não iam dar em nada, que simplismente não passaram de "nada" voltam a acontecer algum tempo depois, não importa se pouco ou muito tempo depois, mas elas voltam a acontecer, simplismente porque eram pra acontecer; por mais que na primeira vez não tenha significado nada, que tudo tenha sido meio sem querer, mais tarde isso volta pra sua vida pra que você confirme que nada é por acaso, e ainda que nada começa e termina assim, sem razão e emoção.
é aí que você pensa em como a vida é engraçada, antigamente não passava de nada, hoje tudo faz sentido; se naquela época ficou confuso porque parecia tão sem graça, hoje tudo tem um gosto tão doce que até parece mentira.
vai ver foi por isso que daquela vez as coisas não aconteceram como deveriam(?) acontecer, por isso foi tudo tão sei lá, sem sal, porque aquela não seria a primeira e a última vez - e no fundo, de alguma maneira, você já sabia disso!
.Someday, somehow
I'm gonna make it all right but not right now.
.
.
.não deixo que a tua sombra me assuste,
nem pense que eu fiquei na pior,
não vem me procurar, desilude!
"A gente destrói aquilo que mais ama
em campo aberto, ou numa emboscada;
alguns com a leveza do carinho
outros com a dureza da palavra;
os covardes destroem com um beijo
os valentes destroem com a espada.
Mas a gente sempre destrói aquilo que mais ama."

(trecho de “A balada do cárcere de reading” - Oscar Wilde)