quarta-feira, 11 de agosto de 2010

(...) e a gente sente que ela não espera mais
nada de nada nem de ninguém, que está absolutamente
sozinha e numa altura tal que ninguém jamais conseguiria alcançá-la.

Caio F. Abreu

Nenhum comentário: