terça-feira, 19 de julho de 2011


Eu não sabia o porquê de estar ali depois de, sei lá, uns duzentos dias. E você, tão sincero, malandro e super discreto, exatamente como duzentos dias atrás, também nem perguntou. (...) Como numa cena de fluxo lento. Fazia muito tempo que a gente não se via depois que tudo deu errado. E ainda assim foi bom. Mesmo não "sendo pra ser".

adaptado de Gabito Nunes.

Um comentário:

Lauren Mezzomo disse...

que lindo.
o que não é pra sempre me encanta.
Carla...
Be Fine!
Beijos.