quinta-feira, 28 de maio de 2015

carta aberta para um amor impossível (iniciado em 15/12/2014)

Último dia de férias e me atrevo a remexer em lugares um tanto quanto deixados de lado, encontro este post salvo em rascunhos e, ao ler a primeira e única frase, escrita há cerca de 06 meses atrás, percebo o quanto as coisas mudam em um curto espaço de tempo.
A postagem dizia "dentre as pessoas mais improváveis, você; dentre as coisas mais improváveis, nós dois... e ainda assim, apesar de toda diferença e inicial incompatibilidade, estamos aqui".
Me senti impulsionada a dar sequência ao post, vamos lá...


Dentre as pessoas mais improváveis, você; dentre as coisas mais improváveis, nós dois... e ainda assim, apesar de toda diferença e inicial incompatibilidade, estamos aqui. 

Dentre todos os improváveis, meu amor, nos tornamos tão compatíveis que só mesmo o Universo para unir duas pessoas tão diferentes e que, em pouco tempo, passaram a completar tanto os espaços um do outro; você, todo sobrecarregado pela vida; eu, toda errada e impaciente; dois medrosos cheios de histórias para contar, que aprenderam a cuidar um do medo do outro... 
Porque o amor é isso, não é? Muito mais do que a alegria, os abraços, a cerveja, ou o chimarrão compartilhado, o amor é zelo, é entender e cuidar do medo e da dor do outro; é deixar os nossos problemas de lado, para acalmar aquele coração agoniado que pede socorro em um SMS; dividir o bem e o mal que cada um traz consigo.
E foi assim que todo o nosso improvável virou compatível; que o que nunca se quis, de repente vira tudo o que se precisa; que aquele cara encrenqueiro, que fala alto, vira o cara-encrenqueiro-que-fala-alto da sua vida.
Entre tanta tempestade seguida de momentos de calmaria, vamos nos reinventando e seguindo cada dia melhores; entre todas as tempestades e incertezas a respeito do amanhã, a certeza do que queremos e enfrentaremos juntos, pois somos melhores assim. 


E se talvez, há alguns meses atrás, essa seria uma postagem a respeito das nossas limitações, hoje ela se torna a aberta das nossas possibilidades; e tudo que preciso dizer é obrigada(!), à você e à vida.